quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Evinha






De olhos grandes, quase saltados, pele morena e cabelo black power, a Evinha não é bem o que eu chamaria de um referencial de beleza (apesar de ter muitas fotos em que sua excentricidade a torna muito bela), mas ela foi durante muitos anos o meu referencial de cantora. Desde pequena tenho verdadeira fascinação pela voz magnífica da Evinha que pode ser tão aguda, suave e melodiosa, mas ao mesmo tempo pode ser forte e ecoante. Para mim poucas cantoras brasileiras, talvez só a Rita, a Baby Consuelo e a Olivia Byington, chegam aos seus pés em talento e na sensação que a voz dela me traz, uma sensação de leveza, de plenitude. Algo que sempre me "irritou" foi o fato dela nunca ter composto, para mim é difícil crer que uma pessoa que entende tanto de música, escolhe repertórios tão bacanas, tem um talento musical tão grande, pode não compor, mas são coisas da vida e os três discos espetaculares dela abafam essa "brecha". Evinha faz parte de uma família de sete irmãos, todos viraram músicos, alguns como Evinha e os outros componentes do Trio Esperança (seus irmão) ainda eram muito pequenos tendo sete, oito anos quando começaram. Começou a a cantar sem o grupo aos dezessete anos de idade, ao participar de um concurso cantando a música "Cantiga por Lucina" que fez tanto sucesso que a Odeon a retirou do Trio Esperança (em seu lugar entrou a caçula Marisa ou Marisinha) e a fez embarcar na carreira solo, tendo sido o seu primeiro disco sido lançado no ano seguinte, em 1969, quando ela tinha dezoito anos. Em sua carreira solo, Evinha lançou seis discos e nove compactos, mas apenas quatro dos discos e três dos compactos, que são realmente bons para mim, pois nos outros a qualidade decai muito, não é a mesma coisa.

1969 - COMPACTO






1. Cantiga Por Luciana (Edmundo Souto / Paulinho Tapajós)
2. Meu Mundo (Renato Correia)



A junção da letra e melodia de "Cantiga por Luciana", ambas muito lindas, com a voz suave, maravilhosa da Evinha, que tinha apenas 17 anos e estava no início da fase mais bela de sua voz resulta em uma música fantástica, tocante e linda. Até mesmo hoje, em seus shows atuais, nos quais ela quase sempre canta esta música que fez tanto sucesso em sua juventude, a canção continua bonita, mesmo que sua voz já não seja mais a mesma, ao vê-la cantando na internet me deu aquela sensação de emoção pela beleza e sutileza do conjunto de fatores que deixam "Cantiga por Luciana" tão bela.


Link:
Cantiga por Luciana:http://www.4shared.com/get/CnAdDRyX/Evinha_-_Cantiga_por_Luciana_-.html 
Meu Mundo:http://www.4shared.com/mp3/NEQ39rhp/4-Meu_mundo_-_Renato_Correia.html?
(as músicas estão separadas pois não consegui o compacto).


Eva 2001




Faixas
1. Casaco Marron (Bye Bye Cecy) (Renato Correia / Guarabyra / Danilo Caymmi)
2. Tigre da Esso Que Sucesso (Marcos Valle / Paulo Sergio Valle) - com Som Três
3. Traços de Amor (Trace) (Bule / Cobb / Cordy / Vrs. Geraldo Figueiredo)
4. Meu Mundo (Renato Correia)
5. Psiu (Antônio Adolfo / Tibério Gaspar)
6. Vou Seguindo (Tito Madi / Armando Henrique)
7. Estorinha (Nonato Buzar / Paulinho Tapajós)
8. Os Dentes Brancos do Mundo (Marcos Valle / Paulo Sergio Valle)
9. Sozinha (Renato Correia) - com Som Três
10. O Vale dos Sonhos (Theme From Valley Of The Dolls) (D. Previn / André Previn / Vrs. Geraldo Figueiredo)
11. De Polo a Polo (Sônia Viveiros de Castro)
12. Samba Negro (Roberto Corrêa / Sylvio Son)



Este disco é, para mim, um dos melhores discos que existe. Ele tem tudo, tem letras maravilhosas, de todos os tipos, passando todo tipo de sensação, tem vocais lindos, suaves, harmônicos, emocionantes, inspiradores, tem uma parte instrumental muito boa, com arranjos incríveis, ele tem uma combinação   de fatores que torna ele mais que especial. Neste disco não há músicas que se destacam, pois todas são maravilhosas, "casaco marrom" é singela e ao mesmo tempo magnífica em sua beleza, passa uma ideia de reencontro com o próprio ser, ou pelo menos é este reencontro que eu encontro nela, um reencontro com o que eu sou, com o que eu fui, ela tocou minha desde que a ouvi pea primeira vez e continua tocando. "Tigre da Esso que sucesso" é também perfeita, muito diferente da outra, mas igualmente boa, ela é do meu ídolo Marcos Valle e talvez por isso tenha tanto apreço por ela, mas também por sua letra que nos passa uma realidade tão real, a realidade da TV, a realidade de quem vive a vida de outras pelos programas de televisão e não consegue viver a sua própria, pois é mais fácil observar de fora a vida dos outros, é uma música fantástica. "Traços de Amor" é simplesmente maravilhosa, é melancólica, emocionante e incrivelmente bela, já "Meu mundo" passa uma mensagem muito otimista, diferentemente da anterior que fala de um amor acabado, ela fala de superação, de alegria e inspira estes sentimentos, bom, inspiraram em mim. "Psiu" é linda, tem uma letra maravilhosa, um arranjo lindo e me inspira sentimentos e emoções muito boas, de saudade da minha infância, pois a ouvia muito quando era criança e sempre a amei. E assim o disco continua, em um desfile de músicas tocantes, profundas, animadas e muito belas, todas elas tem valor inestimável para mim, pois acho este disco mais que maravilhoso e portanto vale muito a pena.


Link:http://www.4shared.com/rar/9q2cDgkx/Eva_2001.html?


1970 - COMPACTO






1. Teletema (Antônio Adolfo / Tibério Gaspar)
2. Enluecer



Nunca cheguei a escutar a música "Enluecer", mas sei que "Teletema" é muito bonita, principalmente cantada por uma voz tão marcante quanto a da Evinha, é uma música singela com uma letra belíssima que por si só faz do compacto uma obra magnífica que vale muito a pena de ser ouvido e apreciado.


Link:http://www.4shared.com/mp3/DXqT0YjK/014_-_evinha_-_teletema.html(apenas teletema)


1970 - COMPACTO




1. Alguém Falou Teu Nome (Renato Correia / Edinho)
2. Ondas Médias (Antônio Adolfo / Tibério Gaspar)
3. Pigmalião (Marcos Valle / Paulo Sergio Valle / Novelli)
4. Agora (Ivan Lins / Ronaldo Monteiro de Souza)



Link:https://rs520dt.rapidshare.com/#!download|520dt|395277533|Eva_1970_Compacto_Duplo.zip|14320|R~0|0|0|RapidPro expired. (34fa3175)


1970 - Eva




















1. Tema de Eva (Taiguara)
2. Something (George Harrison)
3. Agora (Ivan Lins / Ronaldo Monteiro de Souza)
4. Até Outro Dia (Luisão / Luis Fernando Fonseca)
5. Cavaleiro de Papel Crepon (Antônio Carlos Pinto / Jocafi)
6. Pense Duas Vezes (Ivan Lins / Ronaldo Monteiro de Souza)
7. Abrace Paul McCartney Por Mim (Joyce)
8. Setembro (Renato Correia / Guarabyra)
9. Em Trânsito (Antônio Adolfo / Tibério Gaspar)
10. Pela Cidade (Antônio Adolfo / Tibério Gaspar)
11. Meu Rumo Só (Luis Cláudio / Luis Fernando Fonseca)



Talvez tão bom quanto o ''Eva 2001'', o segundo disco da Evinha é maravilhosamente fantástico. Em termos de voz e instrumentalização, ele apresenta características bem parecidas com o primeiro, vocais maravilhosos, suaves e tocantes e a parte musical incrível. Já as músicas são tão bonitas quanto as do outro disco, mas um pouco diferentes tanto em estilo quanto em ritmo e melodia. Todas as músicas são maravilhosas, com destaque para "Abrace Paul McCartney por mim'', que foi feita pela Joyce e regravada por inúmeras cantoras da época como o grupo Umas e Outras e a cantora Célia. Esta música é melódica, tocante, maravilhosa, ela me emociona muito, sempre emocionou e, hoje em dia, ainda há a carga emocional pelo fato de que a ouço desde pequena e já a cantei em apresentações. Enfim o disco é lindo, realmente sensacional e eu espero que quem o ouça aproveite bastante.


Link:(em breve disponível)


1971 - Cartão postal



1. Que Bandeira (Marcos Valle / Paulo Sergio Valle / Mariozinho Rocha)
2. Feira Moderna (Beto Guedes / Fernando Brant)
3. Cartão Postal (Renato Correia / Guarabyra)
4. Olha o Futuro (Arnoldo Medeiros)
5. De Tanto Amor (Roberto Carlos / Erasmo Carlos)
6. Esperar Pra Ver (Renato Correia / Guarabyra)
7. Tema de Adão (Taiguara)
8. Só Quero (Dal / Tom / Lilito)
9. Rico Sem Dinheiro (Abílio Manoel)
10. Encontro (Jacks Wu / Adour)
11. Por Mera Coincidência (Getúlio Cortes)
12. Onze e Quinze (Eduardo Souto Neto / Geraldo Carneiro)



Este é o último disco realmente bom da Evinha, depois disso a qualidade de seus discos decaiu muito, as músicas já não eram muito boas, a parte instrumental também não e até mesmo a voz que até hoje permanece bonita, piorou um pouco. Além disso ela só lançou mais um disco antes de se mudar de vez para Paris onde mora até hoje casada com um pianista de lá. Este LP ainda é muito bom, mas não se compara em nenhum sentido ao ''Eva 2001'' ou ao disco de 1970. O disco já abre com a música extraordinária do Marcos Valle "Que Bandeira'', uma música que não é melodiosa, suave ou com uma letra bonita e tocante, mas sim uma música com a parte instrumental muito boa, uma letra forte, profunda, que fala de desprendimento, é sensacional. Há várias outras músicas boas no LP, como por exemplo, ''Feira Moderna'', ''Cartão Postal'' e ''Tema de Adão''. 


Link:
http://www.4shared.com/rar/h-v0N_kP/Evinha_carto_postal.html
https://rapidshare.com/#!download|423tl3|104605313|Evinha_cartão_postal.rar|28016|R~0|0|0|RapidPro expired. (34fa3175)

sábado, 14 de janeiro de 2012

Baianos e os Novos Caetanos




 Chico Anysio, Arnaud Rodrigues e Renato Piau... ao mesmo tempo que são mestres do humor, satirizando até no próprio nome da banda, eles são também os gênios que antes mesmo desta geração tecnológica começar disseram "a eletrônica está substituindo o coração". Fizeram quatro discos, mas só dois que, na minha opinião, valem realmente a pena e ele são esplêndidos, assim como os integrantes da banda que além de muito talento como humoristas e músicos, são também grande letristas, que expressam profundidade e leveza em suas maravilhosas músicas.

E?-1974


Faixas

01. Vô bate pá tu (Arnaud Rodrigues – Orlandivo)
02. Nêga (Arnaud Rodrigues)
03. Cidadão da mata (Arnaud Rodrigues – Chico Anízio)
04. Urubu tá com raiva do boi (Geraldo Nunes – Venâncio)
05. Aldeia (Arnaud Rodrigues – Chico Anízio)
06. Ciranda (Adapt: Arnaud Rodrigues – Chico Anízio)
07. Folia de Rei (Arnaud Rodrigues – Chico Anízio)
08. Veio Zuza (Arnaud Rodrigues – S. Valentim – Chico Anízio)
09. Selva de feras (Arnaud Rodrigues – Orlandivo)
10. Tributo ao regional (Arnaud Rodrigues – Chico Anízio)
11. Dendalei (Arnaud Rodrigues – Chico Anízio)


Pode parecer brincadeira dizer que já me emocionei diversas vezes com um disco do qual faz parte o Chico Anysio, mas é a mais pura verdade. Isso, pois o humor e a leveza fazem sim parte do disco, marcam muita presença, mas há também uma profundidade em certas letras como na faixa três, na faixa sete e na faixa onze que é extremamente bela. Frases como "perdido na data, achei-me na mata", "Eu sou cidadão da Mata", "a eletrônica está substituindo o coração" e "amo a mata, por que nela não há preços" fazem tanto sentido pra mim, sinto como se fosse eu mesma as dizendo... Na minha família a música "Urubu tá com raiva do Boi", sem querer, acabou se tornando uma tradição que as crianças aprendem desde cedo, comigo foi assim, com minha irmã de seis anos e com meu irmão de três, sem que meus pais falassem, acabamos gostando e cantando esta música sem mesmo entender seu oculto significado protestantista. Outra música que me marcou e me emociona todas as vezes que a escuto é a faixa "Dendalei", com seu ritmo de música sul-americana tocada ao som de guitarra e magníficas flautas que me tocam no fundo do coração (acho que por que expressa um pouco a alma desses países como o Chile, o Peru, que eu admiro muito e sou louca para conhecer)  cantada por um coro incrível, uma letra mais que maravilhosa. Outra música que merece destaque é a faixa cinco, "Aldeia", por não se enquadrar nem na categoria de música cômica, nem na de músicas profundas, mas é realmente incrível, tem uma letra muito diferente, mas também muito significativa, assim como um ritmo que não sei descrever exatamente o que é mas é muito bom. É um disco espetacular que eu sempre, desde pequena, amei e acho que sempre o amarei, espero que gostem também...


Link download: http://www.mediafire.com/?ohlcxomf0tz


Novos Baianos 2-1975





Faixas


1. Perereca (Arnaud Rodrigues / Chico Anísio)
2. Ameriqueiro (Arnaud Rodrigues / Chico Anísio)
3. Forró (Arnaud Rodrigues / Chico Anísio)
4. Sete Luas (Arnaud Rodrigues / Chico Anísio)
5. Entardecer na Fazenda (Arnaud Rodrigues / Chico Anísio)
6. Yo no Quiero Saber (Arnaud Rodrigues / Chico Anísio)
7. Três Macaquinhos (Arnaud Rodrigues / Chico Anísio)
8. Ciranda (Arnaud Rodrigues / Toninho Café)
9. Apocalipse (Arnaud Rodrigues / Chico Anísio)
10. Violamania (Arnaud Rodrigues / Aldemir)
11. Samba Choro (Orlandivo / Arnaud Rodrigues)



Este disco é igualmente ótimo, tem características bastante parecidas com o primeiro, "e?", e consegue unir humor e beleza de forma muito harmônica. Por fatores sentimentais eu acho o primeiro melhor, mais bonito, mas sei reconhecer que este disco é também muito bom. A primeira música é extremamente engraçada e bacana ao mesmo tempo, gosto muito dela e de outras do disco como Sete Luas que é maravilhosa, a letra é linda, a melodia, os vocais, tudo, é uma música que me parece mágica, me envolve, me emociona muito, ela passa uma ideia de liberdade, imaginação, psicodelia, é realmente incrível. Outra música muito boa é Apocalipse, que não é profunda, nem tão bonita, mas é muito boa. Enfim, o disco é maravilhoso, vale muito a pena ser ouvido.


Link de download: https://rs649tl4.rapidshare.com/#!download|649tl|237659655|1975_-_Baianos___Os_Novos_Caetanos_-_By_Flanshup.rar|28167|R~EE926010138B85C8E405A1AC02711C9E|0|0


Vídeos Bacanas da banda:
http://www.youtube.com/watch?v=J3rasxWfPAc
http://www.youtube.com/watch?v=KV7c0wcG690&feature=watch_response_rev





Isabel Allende

Saindo um pouco dos discos e passando aos livros...
Saindo um pouco dos nacionais, mas permanecendo na América Latina...




Isabel Allende é, para mim, talvez a melhor escritora mulher e uma das melhores escritoras no geral que existe, sendo ''A Casa dos Espíritos'' a sua obra-prima. É uma mulher que me passa uma segurança e um despojamento sensacionais, intrigante e excêntrica como pessoa e maravilhosa como profissional, a Isabel Allende é um dos meus maiores referenciais e meu maior sonho talvez, seja conhece-la de perto. Com um talento incrível para descrever personalidades, sensações e momentos, para viajar na cronologia das histórias com classe e ternura, para fazer do impossível mais real do que a realidade, os livros de Isabel Allende são maravilhosos, intrigantes e nos prendem a atenção do começo ao fim.O que mais me fascina nesta escritora fantástica, é que nenhum dos seus personagens, indistintamente, é completamente ruim, ou bom, todos eles são incrivelmente reais, com suas boas características e suas características ruins, no mesmo livro você tem ojeriza, compaixão e até gosto pelo mesmo personagem, ela nos possibilita através de suas palavras, compreender e aceitar mesmo aqueles que se mostram desprezíveis de forma incrível. Outra característica que muito me impressiona na Isabel Allende e a facilidade com que ela faz uma teia do tempo, onde as histórias se cruzam diversas vezes e por onde ela viaja, indo e voltando no tempo sem que a história fique confusa ou contraditória. Li apenas três livros dela, mas foram três livros realmente significativos na minha vida, me tocaram profundamente e mudaram minha forma de ver as coisas, me emocionei muitas, diversas vezes, os livros dela me marcaram de tal forma que a partir deles tive vontade de escrever livros e, o pouco que consigo, tem a influencia, o "traço" característico dela de forma muito marcante. O que mais me impressiona na Isabel Allende é a forma como ela adapta fatos de sua vida pessoal, características de sua própria personalidade em seus livros de forma com que a riqueza dos personagens e das cenas acabe ficando ainda maior, pois ela descreve e mistura fatos que ela viu de perto, que ela vivenciou e marcaram sua vida.


A Casa dos Espíritos - 1982





Romance de Isabel Allende, publicado em 1982, que retrata a saga da família Trueba, no Chile, ao longo do século XX. É constituído por catorze capítulos e um epílogo. A ação da obra reflete o momento revolucionário do Chile, terminado com o golpe militar de 1973, que veio a derrubar o presidente Salvador Allende. A história é narrada por três personagens: Esteban Trueba, a sua mulher, Clara, e a neta do casal, Alba. 
Esteban Trueba, um jovem decidido e ambicioso, pretende fazer fortuna, trabalhando numa mina, com o objetivo de casar com Rosa. No entanto, esta morre repentinamente, tal como a sua irmã, Clara, tinha premunido. O jovem, amargurado, deixa a mina e instala-se numa fazenda abandonada, tornando-se um latifundiário abastado, poderoso e arrogante. Após vários anos, Esteban casa-se com Clara, passando o casal a viver também com a irmã de Esteban, Férula. Do casamento nasce Blanca e posteriormente dois rapazes gémeos, Jaime e Nicolás. Esteban, com inveja da influência de Férula sobre Blanca, expulsa aquela de casa e interna a jovem num colégio. Quando esta regressa a casa, apaixona-se por Pedro, filho do capataz da fazenda, que entretanto se tornara líder da rebelião dos trabalhadores rurais contra o latifundiário. Blanca fica grávida, mas Esteban, por ambições políticas, pretende casá-la com um conde francês. Perante tal pretensão, Blanca e Pedro saem do país. Da união dos jovens enamorados nasce Alba, que vai continuar a luta pela justiça social, iniciada pelos pais, chegando mesmo a ser presa e torturada. 



Texto retirado do site: www: <URL: http://www.infopedia.pt/$a-casa-dos-espiritos>.


O livro a casa dos espíritos é realmente muito bom! É, na verdade, um retrato modificado, distorcido, da vida da autora, que o começou com o propósito de ser uma carta ao seu avô que estava em seu leito de morte em outro país e foi um personagem muito marcante em sua vida, mas depois se transformou em um dos melhores e mais bem escritos livros da história. Eu não tenho palavras para descrever o que eu senti ao ler este livro tão completo em palavras e sentimentos, apenas que me "apaixonei" por ele e pela Isabel Allende espero que também se apaixone, quem se propuser a ler.


Nota:10/10


Livro em PDF disponível em: http://floraisdaamazonia.files.wordpress.com/2010/10/isabel-allende-a-casa-dos-espiritos.pdf


Foi lançado em 1993, um filme chamado A Casa dos Espíritos baseado no livro e, apesar de não se comparar ao livro em nenhum aspecto, é interessante de ser assistido. 


A Casa dos Espíritos (filme) - 1993






Título original: (The House of the Spirits)
Lançamento: 1993 (EUA)
Direção: Billie August
Atores: Meryl Streep, Glenn Close, Jeremy Irons, Winona Ryder e Antônio Bandeiras.
Duração: 150 min
Gênero: Drama


Um mundo de paixão e amor, de magia e vingança. A saga de uma família envolvida por fortes emoções. Milhares de pessoas aplaudiram este filme espetacular, que conta com um elenco de brilhantes astros do cinema em interpretações inesquecíveis.


Trailer: http://www.youtube.com/watch?v=qXvSN-Fly98

Link de download: http://www.megaupload.com/?d=12MV7QLN




De Amor e de Sombras-1984






A história tem origem num encontro casual entre Irene, uma jovem da aristocracia chilena, e Francisco, filho de um professor anarquista. A partir de uma reportagem rotineira, um mundo estranho, oculto pela história oficial, vai-se-lhes revelando, fazendo-os sentir responsáveis perante os factos cruéis que se sucedem. E nas sombras do poder e do abuso, cada vez mais pressionados pelas injustiças e pelo ódio, que o amor de Irene e Francisco se desenvolve, como força contrária.


Não posso comentar este livro, pois nunca o li, mas tenho bastante vontade pois se passa em um ambiente, a ditadura militar do chile, que a Isabel Allende sabe lidar muito bem, retratar de forma muito detalhada e encaixar suas histórias de forma belíssima.


Livro em PDF disponível: em:http://www.4shared.com/get/cRSdW2_N/Isabel_Allende_-_De_Amor_e_de_.html


De Amor e de Sombras (filme)- 1993






Título original:Of Love and Shadows
Local de produção: Argentina/EUA
Ano: 1993
Gênero:Drama
Elenco:Jennifer Connelly,Antonio Banderas
Diretor: Betty Kaplan




Sinopse
“De Amor e de Sombras” é baseado no romance de Isabel Allende, sobrinha do ex-presidente deposto, Salvador Allende, e autora de “A Casa dos Espíritos”, que rendeu o filme homônimo de Bille August. Connelly faz uma alienada repórter chilena de uma revista de moda, que vive com a mãe, dona de um asilo. Apesar da sua profissão e de namorar com um jovem militar, ela ignora a repressão política que domina seu país. Quem lhe abre os olhos é Francisco (Antonio Baderas), um fotógrafo de origem espanhola que luta contra o regime militar. Juntos, descobrem uma mina abandonada que os militares usam para esconder cadáveres. Apaixonados um pelo outro, eles precisam enfrentar uma arriscada fuga do país, com Connelly gravemente ferido.




Eva Luna - 1987





“Eva Luna”, romance escrito em 1987 por Isabel Allende, escritora chilena, sobrinha do grande Salvador Allende, é uma atribulada biografia, narrada em 1ª pessoa, onde a tragédia converte-se em tragicomédia. Eva é filha do subdesenvolvimento, do analfabetismo, da pobreza e de uma História que alterna golpes e ditaduras militares com breves períodos democráticos. Neste cenário horrendo, Eva constrói seu próprio mundo com habilidade de artesã, mas como contadora de histórias. Esse talento conquista a todos ao seu redor, e a pequena Eva, analfabeta e sem grandes perspectivas, vai conseguir, depois de adulta, alfabetizar-se e tornar-se escritora. 


Texto retirado de http://leredesconstruir.blogspot.com/2010/02/eva-luna-isabel-allende.html


Eva Luna é um livro fantástico, cheio de imaginação, cheio de detalhe, personagens exóticos, fatos improváveis, cômicos, emocionantes. não é tão bom, tão rico como o livro Casa dos espíritos, mas é talvez mais criativo, principalmente pelo fato de que a Isabel Allende o tirou completamente de  sua cabeça e no Casa dos Espíritos ela coloca muito de sua própria vida. Esse é um daqueles livros nos quais você entra na história, se mistura com ela, é um livro maravilhoso que nos reflete uma enorme diversidade de emoções e sensações, um livro que vale muito a pena. 


Nota:9/10


Livro em PDF disponível em:http://www.4shared.com/get/SqTMqvwf/isabel_allende_-_eva_luna.html


O Plano Infinito-1991





"O Plano Infinito" é uma história densa e apaixonada de um homem à procura da própria identidade, de amor e de aceitação. Foi o primeiro romance de Isabel Allende ambientado nos Estados Unidos, nos turbulentos anos 60. As barreiras do mundo americano e latino são vencidas, surgindo então uma narrativa apaixonante: a história de Gregory Reeves. Acompanhando a trajetória do protagonista desde a infância nômade até à meia-idade cheia de conflitos, a autora aborda temas complexos como a vida dos imigrantes nos Estados Unidos; a discriminação racial, a guerra no Vietnã; o fanatismo religioso, o way of life americano,o inferno das drogas e a salvação pela psicanálise. Segundo a própria Isabel Allende, "O Plano Infinito" revela que o importante é unir as pessoas, e não discriminá-las através de barreiras étnicas, sociais, políticas e raciais.


Nunca li este livro, mas já ouvi críticas muito boas dele, é um livro que tenho muita vontade de ler e que deve valer muito a pena.




Paula-1994





Em dezembro de 1991, a filha de Isabel Allende, Paula, é internada em um hospital da Espanha, gravemente enferma. A escritora acompanha o sofrimento da filha que se prolonga durante meses, em um coma irreversível, e escreve a história de sua família para a jovem inconsciente, na esperança de que algum dia ela desperte.


O livro Paula não é a obra-prima da autora, não é o mais criativo, o mais rico em detalhes ou o mais bem escrito, mas é, com certeza, o mais bonito que ela já escreveu. O livro vem cheio da emoção da autora ao escreve-la, podemos sentia, compartilhar de sua dor e de sua vida relatada no livro. Bom, assim se sucedeu comigo, não sei com o resto, mas sei que o livro me emocionou realmente, é belíssima a forma como ela descreve a personalidade maravilhosa da filha, a dor de mãe que sentiu ao ver Paula inconsciente em uma cama, a relação de amor mais pura e verdadeira possível entre sua filha e o marido e, principalmente, o desenlace de Paula no final do livro. É também muito bom conhecer tão de perto a vida de uma escritora fantástica, uma mulher de vida espetacular, cheia de particularidades, como a Isabel Allende, conhecer-lhe os pormenores da infância, da adolescência e da vida adulta e desfrutar o reconhecimento de inúmeros detalhes presentes disfarçadamente em outros livros. Eu amei este livro tanto quanto o livro Casa dos Espíritos, apesar de achar este último seu melhor livro.

Nota:10/10


Livro em PDF disponível em: www.visionvox.com.br/biblioteca/i/isabel-allende.-paula.doc






Continua...

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Cinema Paradiso

Apesar deste não ser um filme nacional, é um filme que merece destaque em qualquer categoria e por isso o colocarei mesmo antes de chegar aos internacionais.



 

Ficha Técnica

Título original: Nuòvo Cinema Paradiso
Lançamento: 1988
Direção: Giuseppe Tornatore
Atores: Antonella Attili, Enzo Cannavale, Isa Daniei, Leo Gullotta.
Duração: 123 min
Gênero: Drama



Sinopse

Nos anos que antecederam a chegada da televisão (logo depois do final da Segunda Guerra Mundial), em uma pequena cidade da Sicília o garoto Toto (Salvatore Cascio) ficou hipnotizado pelo cinema local e procurou travar amizade com Alfredo (Philippe Noiret), o projecionista que se irritava com certa facilidade, mas parelamente tinha um enorme coração. Todos estes acontecimentos chegam em forma de lembrança, quando agora Toto (Jacques Perrin) cresceu e se tornou um cineasta de sucesso, que recorda-se da sua infância quando recebe a notícia de que Alfredo tinha falecido.


Link do trailer (sem legenda, infelizmente):http://www.youtube.com/watch?v=HIcoN8JWJMQ&feature=related


A gente nunca esquece o primeiro filme no qual desatamos a chorar como crianças, emocionados em cada fibra do nosso corpo. No meu caso, este primeiro filme foi o Cinema Paradiso, o primeiro filme que me tocou realmente, que me emocionou profundamente com sua sutileza, sua riqueza de emoções, sua forma de retratar um tempo tão diferente, tão remoto, tão "simples" e ao mesmo tempo maravilhoso. Um tempo em que não era preciso computadores, iPhones e baladas para que a vida tivesse sentido ou fosse preenchida, um tempo em que um simples filme no cinema, um amor vivido com intensidade, um amigo eram suficientes para a vida valer apena, para que a vida fosse leve. Sim, isto é saudosismo mesmo (um saudosismo irônico já que não vivi nesta época), mas não ligo, não me engano também em pensar que as pessoas não tinham problemas e a vida de muitos não era extremamente difícil, mas gosto de imaginar esta época com olhos de criança, e ver apenas a simplicidade, o gosto por uma pelada no meio da rua, um jogo de bola de gude com a turma do bairro e a fascinação por ver casos de amor, de comédia e de ação em um enorme tela junto a outras muitas pessoas que sentem o mesmo que você. E acho que é esta visão que o filme tenta trazer, a nós, inclusive eu mesma, que vivemos em um mundo tão acelerado, tão complicado, tão tecnológico e dependemos de tantas coisas para sermos felizes, ou tentarmos ser, pois a maioria dessas coisas não traz nunca a felicidade duradoura...


Link de download: http://www183.megaupload.com/files/58b898eca141f351eb20a3c306b53faf/cinema%20paradiso.legend.%20rmvb.kakita.uv.rm

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Festival Virtual de Filmes Franceses

Está tendo uma espécie de festival/concurso de filmes franceses em todo o mundo pela internet, quem se interessar em ver o site, assistir os filmes e votar para eleger o melhor é só entrar no link: http://www.myfrenchfilmfestival.com/pt/.

Novos Baianos







Os Novos Baianos é uma banda excepcional, que além de ter um talento imenso para rock de todos os jeito, consegue unir este rock aos ritmos baianos como o samba e o chorinho, as vezes até o frevo, de forma fantástica. Em meio à guitarras elétricas, pandeiro, letras singelas ou muito loucas (mas ambas muito bacanas) e vocais maravilhosos da Baby, do Paulinho e do Pepeu, os Novos Baianos conseguem passar uma leveza, um despojamento e uma simplicidade quase infantil que não se vê em outras bandas, eles passam a essência baiana, e isso torna ainda mais fantástico o som deles. Os Novos Baianos são mais do que uma banda, são uma família, é muito bacana observar as capas e os encartes dos discos deles pois podemos ver inúmeras crianças e bebes, filhos deles, eles eram uma comunidade, moravam juntos, tocavam juntos, viviam em grupo, e talvez por isso façam um som tão acolhedor. Só o fato de a banda ter uma pessoa que não toca e não canta, apenas faz as letras, o Galvão, já é um diferencial muito interessante, assim como outra pessoa que intriga e merece destaque que é a excêntrica Baby Consuelo. Com um jeito muito louco, uma voz maravilhosa e uma personalidade muito figura, a Baby tem ainda mais prestígio comigo do que a Rita, pois não faz qualquer esforço para ser uma pirada muito leve, muito legal. Foi muitos anos casada com o Pepeu e é legal comentar a forma como se conheceram, já que foi bem... diferente:
Diz Pepeu que andava pelas ruas de Salvador com a turma que veio a se tornar a banda quando viram um brilho na testa de uma garota que também andava pela rua. Ao se aproximarem viram que o que brilhava era um espelho que a garota amarrara na testa, essa garota era Baby, que diz que amarrou o espelho para que as pessoas se vissem dentro da cabeça dela.
Enfim, a banda é fenomenal e graças a deus lançou muitos discos bons, vale a pena ouvir todos eles.




É Ferro na Boneca - 1970





Faixas

1 Ferro na boneca 
2 Eu de adjetivos 
3 Outro mambo, outro mundo 
4 Colégio de Aplicação 
5 A casca de banana que eu pisei 
6 Dona Nita e Dona Helena 
7 Se eu quiser eu compro flores 
8 E o samba me traiu 
9 Baby Consuelo 
10 Tangolete 
11 Curto de véu e grinalda 
12 Juventude sexta e sábado 
13 De Vera




Ficha Técnica
-Pepeu Gomes – guitarra
-Paulinho Boca de Cantor – vocal, percussão
-Baby Consuelo – vocal, percussão
-Moraes Moreira – violão, vocal, letras
-A Cor do Som – banda de Apoio
-Jorginho Gomes, Dadi
-Luiz Galvão – letras

O ''É Ferro na Boneca'' é um disco muito bom, que já começa no astral dos Novos Baianos com a música Ferro na Boneca que é muito boa e assim sucede em uma mistura de rock, samba, mambo, frevo, em melodiosa e maravilhosa harmonia. Mesmo não sendo tão bom quanto os seguintes, é um disco sensacional!

Vídeos bacanas:
http://www.youtube.com/watch?v=kOyQKI3-SpI&feature=results_main&playnext=1&list=PL3AF9B984B2B5255D
http://www.youtube.com/watch?v=b4FCqmo673g&feature=autoplay&list=PL3AF9B984B2B5255D&lf=results_main&playnext=2 
http://www.youtube.com/watch?v=d3Zv8w19t7w&feature=BFa&list=PL3AF9B984B2B5255D&lf=results_main 

Link:
http://www.4shared.com/rar/F4hJEpl0/Novos_Baianos_-__ferro_na_bone.html?cau2=403tNull






Acabou Chorare - 1972
 



1. Brasil Pandeiro
2. Preta Pretinha
3. Tinindo Trincando
4. Swing De Campo Grande
5. Acabou Chorare
6. Mistério Do Planeta
7. A Menina Dança
8. Besta É Tu
9. Um Bilhete Pra Didi
10. Preta Pretinha



3:25

Ficha Técnica

-Baby Consuelo – vocal, percussão (maracas, triângulo e afoxé)

-Paulinho Boca de Cantor – vocal, percussão (pandeiro)

-Pepeu Gomes – guitarra elétrica, violão solo, craviola, arranjos

-Moraes Moreira – vocal, violão base, arranjos (letras)

-Dadi Carvalho – baixo elétrico

-Jorginho Gomes – bateria, cavaquinho, bongo


- Luiz Galvão - letras

Videos:

O Acabou Chorare é uma verdadeira obra-prima (mas é apenas uma das obras-primas dos Novos Baianos), talvez um dos melhores discos da musica brasileira, é indescritível a qualidade, o talento, a beleza expressada neste disco. Na primeira música já pode se ver a qualidade do disco e ela não é nem de longe a melhor música do disco, apesar de já batida pela repetição, ''Brasil Pandeiro'' é quase um hino, que apresenta uma essência brasileira, é incrível! A segunda música continua no mesmo nível da primeira mas, a terceira, já é mais aprimorada, apresenta um rock da melhor qualidade com uma letra meio sem sentido, muito doida e muito boa, cantada pela Baby do Brasil (Baby Consuelo) que apresenta incrível capacidade de cantar rápido por que, puxa, a música é hiper difícil e ela canta com estilo inacreditável. Todas as músicas são maravilhosas, muitas delas apresentam a mesclagem de rock e samba, outras são só samba, outras só rock, outras não apresentam nenhum dos três estilos, mas três delas merecem especial atenção, que são as faixas cinco, seis e sete. A quinta por sua incrível beleza e singeleza no ritmo, na letra e na voz suave do cantor, que diz que ela foi feita sob o efeito de marijuana, de manhã, quando uma abelha passou na sua frente e assim ele compôs a música. A sexta por ser muito boa, com um ritmo  contagiante, uma letra muito bacana, um dedilhado no violão que depois se "transforma" em uma guitarra animal e uma bateria simples mas muito boa, ela é maravilhosa. Já a sétima é, para mim, a melhor ou quase melhor, não sei dizer exatamente por que, acho que por ser a Baby que canta, por que a letra é muito boa, a instrumentação é ótima, eu acho ela toda perfeita!
Por essas e por outras o disco é incrível e vale muito a pena ser ouvido, apreciado e amado!

Link: http://www.4shared.com/rar/TpTa64z-/-Novos_Baianos_-_Acabou_Chorar.html



Novos Baianos F.C. (Futebol Clube) - 1973

Faixas

1 Sorrir e cantar como Bahia 
2 Só se não for brasileiro nessa hora 
3 Cosmos e Damião 
4 O samba da minha terra 
5 Vagabundo não é fácil 
6 Com qualquer dois mil reis 
7 Os "pingo" da chuva 
8 Quando você chegar 
9 Alimente 
10 Dagmar 

Ficha Técnica
-Moraes Moreira  vocal, violão base, percussão, arranjos, compositor
-Paulinho Boca de Cantor – vocal, percussão
-Baby Consuelo – vocal, pandeiro
-Pepeu Gomes  guitarra, violão solo
-Jorginho Gomes  bateria
-Dadi – baixo
-Baixinho – percussão
-Bolacha – percussão
-Luiz Galvão – letras



Videos:

O Novos Baianos F.C. consegue, incrivelmente, manter o nível do segundo disco, o Acabou Chorare, é fantástico desde a primeira música (quer dizer, desde a segunda na minha opinião, pois a primeira música é um pouco ''enjoada''), com dedilhados na viola e no violão incríveis, letras bonitas e uma mistura de vários estilos musicais, ao som da voz magnífica de Baby, Paulinho, Pepeu e Moares, com destaque para as músicas 2, "Só se não for brasileiro nessa hora"3, Cosmos e Damião e 7, Os "pingo" da chuva, é divinamente maravilhoso.

Link: http://www.4shared.com/rar/PV7_YNzS/NB-NBFC73.html 
https://rapidshare.com/files/2792669878/NB-NBFC73.rar


Linguagem do Alunte - 1974


Faixa
1-Fala Tamborim (Em pleno 74)" (Luiz Galvão/Moraes Moreira)
2-Ladeira da Praça" (Galvão/Moreira)
3-Eu sou o caso deles" (Galvão/Moreira)
4-Miragem" (Galvão/Moreira)
5-Isabel (Bebel)" (João Gilberto)
6-Linguagem do Alunte" (Galvão /Pepeu Gomes/Moreira)
7-Ao Poeta" (Galvão/P. Gomes/Moreira)
8-Reis da Bola" (Galvão/P. Gomes/Moreira)
9-Bolado" (Jorginho Gomes/P. Gomes)

videos bacanas:
http://www.youtube.com/watch?v=cxkRnWr3Ie0


Mesmo não estando no mesmo nível do segundo e terceiro LP da banda, o disco de 1974, ou Linguagem do Alunte, é um disco muito especial, bem do jeito Novos Baianos de ser. A música "Linguagem do Alunte" merece especial atenção por sua letra que exprime bem o recado dos Novos Baianos ao mundo, um recado que diz mais ou menos: nós estamos a fim de viver de verdade, as coisas boas da vida e não perder tempo nos explicando ou discutindo coisas inúteis, queremos ter o direito de fazer e dizer loucuras sem termos de nos explicar...Além dessa, outra música muito boa é a sétima faixa, "Ao Poeta", muito doida e diferente, mas muito boa. Este disco é muito bom, vale muito a pena.

Link:https://rapidshare.com/files/3087776964/Os_Novos_Baianos_-_Linguagem_do_Alunte.zip


Vamos Para o Mundo - 1974


Faixas:
1. Vamos Pro Mundo
2. Guria
3. Na Cadência do Samba
4. Tangolete
5. América Tropical
6. Chuvisco
7. Escorrega Sebosa
8. Ô Menina
9. Um Dentro do Outro
10. Um Bilhete Pra Didi
11. Preta Pretinha no Carnaval

Novamente os Novos Baianos conseguem fazer um disco mais que maravilhoso, estupendo! Este disco está a altura do segundo e do terceiro ou talvez seja até melhor (nem tanto!rs), pois contêm os mesmo aspectos tão atraentes deles, só que é mais rock, é perfeito, e a música que merece mais destaque é a primeira, "Vamos Pro Mundo", que é muito boa, com uma letra demais! 




Caia na Estrada e Perigas Ver - 1976





Faixas
1    Beija Flor 
2    Ziriguidum 
3    Se Chorar Beba a Lágrima
4    Na Banguela 
5    Biribinha Nos States 
6    Sensibilidade Da Bossa 
7    Porto Dos Balões
8    Caia Na Estrada E Perigas Ver 
9    Brasileirinho
10   Barra Lucifer 
11   Rocarnaval 
12   Eu Não Procuro Som 
13   Suor Do Sol

Um disco muito bom dos Novos Baianos também, não tão bom quanto alguns outros, mas mesmo assim maravilhoso. A melhor música do disco é, com certeza, a oitava faixa, que com este título que passa esta mensagem bem hipponga de pé na estrada, a música em si é também muito boa.




Há ainda mais dois LPs deles chamados Praga de Baiano de 1977 e Farol da Barra de 1978 mas neles a música dos Novos Baianos decai muito e eu só quero colocar os discos realmente bons neste blog.